Como adotar um animal pode mudar a sua vida (para melhor)
13 de setembro de 2019 por Ana Dantas

Que pessoa não precisa de um melhor amigo? Que criança não gosta de ter, sempre, uma fiel companhia para toda uma vida? Um animal está sempre de bom humor para brincar, para te receber e te fazer mais feliz – isso tudo pedindo absolutamente nada em troca, além de amor. Adotar um animal é um gesto simples, mas que não apenas muda para sempre a vida deste ser, como a sua também (e para melhor!). Esse gesto de amor e carinho pode se transformar em uma experiência inesquecível, acredite.

Devemos entender que seres vivos não devem (nem merecem) ser comercializados como uma coisa ou objeto. Além disso, muitos vivem as ruas, sofrendo com falta de condições básicas (como alimentação de qualidade e abrigo contra a chuva ou calor excessivo) e, inclusive, maus tratos. 

Os animais são seres pensantes – cada um em seu próprio nível, crítico ou não – e sencientes. Eles sentem, se emocionam e vibram. Estipular valor monetário a uma vida é não apenas estranho, como cruel. Por isso a adoção é tão especial. É a oportunidade de, sem qualquer custo, incluir um bichinho de estimação em sua rotina, trazendo muita felicidade e mudando para sempre a rotina da sua família. 

Abaixo, separei alguns argumentos que prometem te convencer a adotar um companheiro. Confira só:

Ter um amigo fiel

A relação entre você e o animal será construída desde o início, de maneira incondicional. Essa nova amizade representará a melhor fase de sua vida. Honesto e sincero, o bichinho demonstrará toda a sua fidelidade, independente até mesmo da sua condição financeira.

Economia

Filhotinhos lindos são comercializados por muito dinheiro – acredite, não é pouco – e essa indústria é cruel com os animais. Adotar um animal não apenas é de graça, como também te traz a oportunidade de investir o dinheiro que você usaria comprando um bicho para ajudar outro animal de rua (ou uma ONG que os ajuda).

Menos problemas de saúde

A maioria das raças de animais que hoje existem nasceram a partir do cruzamento de outras duas raças, escolhidas através de testes genéticos feitos em laboratório, ou de algum cruzamento que aconteceu “espontaneamente” pelos animais. 

Muitas das raças de cachorros que hoje conhecemos nasceram por uma razão mercadológica: o homem sentiu a necessidade de um cachorro menor ou maior, com pelo mais curto ou mais longo, mais ou menos agitado e assim por diante. A partir disso, testes eram feitos até encontrar uma compatibilidade de genes entre raças.

Mas, mudanças genéticas quase sempre geram consequências. A maioria das raças de cachorros são predispostas a terem certas doenças, como obesidade (no caso dos labradores, por exemplo), problemas respiratórios (como nos cachorros de focinho achatado), cânceres e muitas outras. 

Então, o que acha de optar por um SRD (Sem Raça Definida)?

Rápida adaptação

Quem não se adapta fácil a um lar quentinho, com comidinha boa e muito carinho? Vira-latas, SRD e animais abandonados nas ruas sabem exercer a gratidão de forma intensa e verdadeira. Eles vão fazer questão de se adaptar à sua rotina, à sua família e ao seu lar. Tudo para te ver feliz e te agradecer pela nova vida que lhe foi proporcionada.

Quer saber mais sobre adotar um animal? Na trilogia da gata Bia que começa com o livro “Se Bia Falasse…”, relato a história de adoção da minha gata e de seus seis filhotes. Três livros para você se aventurar nesse universo de amor e cumplicidade dos pets.

Adotar é amor!
Compartilhe: Compartilhe esse por WhatsApp Compartilhe esse conteúdo no Facebook