A história do teatro baiano
16 de setembro de 2019 por Ana Dantas

Ah, a Bahia! Um dos locais com maior abordagem cultural do nosso País. O estado possui características peculiares, que solidificaram o teatro baiano em seu desenvolvimento regional durante o passar dos séculos.

Lugar que abrange as mais diversas culturas e que possui um extenso acervo de importantes autores e obras literárias, as primeiras casas de espetáculos surgiram em Salvador, por volta de 1729, em meio a Praça Municipal da cidade. A Bahia é um berço de cultura e de arte!

Como eu digo em meu livro, “parece que a Bahia tem uma característica muito comum e peculiar no que se refere a determinados segmentos culturais de sua sociedade: sucesso local – ao mesmo tempo em que é fortalecido pelo próprio bairrismo, é o maior solidificador cultural que o Estado encontrou para divulgar sua própria arte.” (DANTAS, Ana. Teatro Baiano, p. 85, 2004)

Em uma época onde quase não se tinham opções de diversão, o teatro São João nasceu como o mais importante da região, na Praça Castro Alves, local onde intelectuais se encontravam para discutir sobre cultura contemporânea.

Nesse espaço também foi fundado o Conservatório Dramático da Bahia, o chamado CDB, por Agrário de Menezes, ambiente no qual escritores disponibilizaram seu tempo para auxiliar grupos de artistas da cidade. 

Aliás, grandes nomes da dramaturgia passaram por esse palco como Xisto Bahia, João Caetano, além do poeta Castro Alves e o regente Carlos Gomes. Nomes importantíssimos no desenvolvimento artístico do nosso país! 

Evolução

Durante o século XX, foram criados a Escola de Teatro e o Teatro Castro Alves, destruído pelo fogo antes mesmo de ser inaugurado, em 1958. Uma pena sem fim. Depois, em 1980, foi criada pela Cia. Baiana de Patifaria a peça “A Bofetada”, considerada uma das mais importantes do estado. 

O espetáculo foi montado com esquetes onde os atores comentam sobre teatro em tom de comédia. Reproduzido até hoje, todos os anos essa montagem sofre algumas adaptações em seu texto, mas sempre com o principal objetivo de abordar o dia a dia dos baianos. Recomendo fortemente a absolutamente todos que gostam de teatro, de maneira geral. 

Mudança

A partir de 1990, as leis de incentivo ajudaram no desenvolvimento das artes cênicas no estado. Com isso, a quantidade de espetáculos disponíveis ao público cresceu e deu mais espaço para o progresso dessa profissão em um todo. 

Apesar de ser um local muito importante para o teatro e um verdadeiro berço cultural, atualmente, o cenário é outro. Disputando espaço com o cinema e a televisão, muitas peças perdem incentivo e recebem apenas o desinteresse da população.

“Teatro é vida. Vida não por ser um mero instrumento ou ferramenta para representá-lo, mas porque em todo o seu contexto histórico, cultural, econômico ou filosófico se mantêm em contínua atividade: existe.” (DANTAS, Ana. Teatro Baiano, p. 85, 2004)

Quer saber mais sobre o assunto? Em meu livro “Teatro Baiano”, explico detalhadamente sobre a evolução da arte na Bahia, entre os anos 1990 e 2000.

Compartilhe: Compartilhe esse por WhatsApp Compartilhe esse conteúdo no Facebook